terça-feira, 30 de julho de 2013

Moscando…

Luxa já se arrumou.
20130730-103049.jpg
Por menos do que recebia no Grêmio, metade do salário de Abel Braga, com contrato de apenas cinco meses, retrato de seus últimos trabalhos, o que não anima quem queira ver o Fluminense fora dos últimos lugares.
Mas o dono do dinheiro do patrocinador do tricolor resolveu ser o otário da vez.

Taxa de desemprego fica em 6% em junho, diz IBGE


A população ocupada, de 23 milhões, também manteve-se praticamente estável em relação aos dois meses.

O contingente de trabalhadores desocupados ficou em 1,5 milhão de pessoas em junho, mantendo-se praticamente estável em relação a maio deste ano e a junho de 2012. A população ocupada, de 23 milhões, também manteve-se praticamente estável em relação aos dois meses.

O número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado foi praticamente o mesmo de maio: 11,5 milhões. Mas foi registrado um aumento de 3,2% em relação a junho do ano passado.

Estabilidade em relação a maio também foi observado no rendimento médio real habitual do pessoal ocupado, que ficou em R$ 1.869,20 em junho deste ano. Em junho do passado, o rendimento médio havia sido R$ 1.854,13, ou seja, 0,8% menor.

A Pesquisa Mensal de Emprego (PME) é feita nas regiões metropolitanas do Recife, de Salvador, de Belo Horizonte, do Rio de Janeiro, de São Paulo e de Porto Alegre.

Fonte:

Justiça rejeita Embargos da Telexfree; reexame da matéria é descartado

A intenção dos embargantes era modificar o Acórdão ao apontar a existência de omissão, contradição e obscuridade.


Justiça rejeita Embargos da Telexfree; reexame da matéria é descartado
esta segunda-feira (29), a 2ª Câmara Cível rejeitou os Embargos de Declaração nº 0001475-36.2013.8.01.0000/50001 opostos pela empresa Ympactus Comercial Ltda (Telexfree) no Acórdão nº 212, no Agravo Regimental, votado no último dia 8 de julho.
A intenção dos embargantes era modificar o Acórdão ao apontar a existência de omissão, contradição e obscuridade, objetivando o prequestionamento de dispositivos constitucionais e infraconstitucionais.
O Colegiado, à unanimidade, rejeitou os Embargos de Declaração e manteve a decisão por entender que não há vício a ser corrigido, mas mero inconformismo com o resultado do julgamento.
A defesa havia alegado que o Acórdão foi “omisso ao não analisar expressamente a aplicabilidade do artigo 39 da Lei 8.038/90, bem como foi obscuro ao não fundamentar expressamente quais os comandos legais utilizados para justificar a não concessão de efeito suspensivo ao agravo, bem como da contrariedade em ter afirmado que a decisão que nega efeito suspensivo ao agravo de instrumento é irrecorrível, contrariando o entendimento no STJ”.
Voto
O desembargador Samoel Evangelista, relator do recurso, esclareceu cada vício apontado pela defesa da empresa.
Em relação à alegação de omissão “ao não analisar expressamente a aplicabilidade do artigo 39 da Lei nº 8.038/90”, o relator lembrou que tal norma institui o procedimento dos processos perante o Superior Tribunal de Justiça e o Supremo Tribunal Federal e a mesma não se aplica aos Tribunais locais.
No tocante a obscuridade “ao não fundamentar expressamente quais os comandos legais utilizados para justificar a não concessão de efeito suspensivo ao agravo”, o desembargador lembrou que os magistrados, quando já encontraram motivo suficiente para formar a sua convicção e fundamentar sua decisão, não estão obrigados a se manifestar sobre todas as alegações das partes.
No último ponto, a alegação de “contrariedade em ter afirmado que a decisão que nega efeito suspensivo ao Agravo de Instrumento é irrecorrível, contrariando o entendimento dominante do STJ”. Nesse ponto, o relato explicou que a matéria já foi examinada nesta corte em várias oportunidades e os precedentes citados pela defesa foram superados e citou julgado no Ministro Luis Felipe Salomão, em Decisão monocrática, em junho deste ano.
O relator concluiu o voto esclarecendo que “a matéria posta foi devidamente enfrentada no Acórdão. Assim, tenho que foi dada adequada e correta solução à demanda, o que exclui a possibilidade de reexame da matéria, motivo pelo qual os presentes Embargos de Declaração não estão a exigir provimento”.

Fonte: Assessoria TJ/AC

quinta-feira, 18 de julho de 2013

As Diversidades de Santa Rosa do Purus e suas economias

O Município situa-se na margem direita do Rio Purus e foi desmembrado de Manuel Urbano, quando se transformou em município no dia 28 de abril de 1992, mas sua implementação só aconteceu a partir do dia 1° de janeiro de 1993, quando o prefeito, vice-prefeito e vereadores tomaram posse de seus respectivos cargos. Seu nome faz referência aos Rios Santa Rosa e Purus que banham a localidade.
Em1904, aregião onde hoje se localiza o município de Santa Rosa do Purus também foi palco de confronto entre brasileiros e peruanos, em razão da falta de demarcação de limites. Estes limites foram estabelecidos somente a partir da Expedição de Euclides da Cunha à região em 1905, tendo definido Santa Rosa do Purus como ponto terminal da ocupação brasileira no rio Purus e dando origem ao Tratado do Rio de Janeiro de 1909, entre Brasil e Peru.
O acesso ao Município é feito por via fluvial através do Rio Purus e aéreo em aeronaves de pequeno porte. Por conta do isolamento, a localidade possui uma forte dependência econômica do município de Sena Madureira. As principais atividades econômicas desenvolvidasem Santa Rosasão: o extrativismo vegetal de borracha e madeira, a agricultura de subsistência, a pecuária extensiva e a pesca. O Município possui a menor população do Acre e ocupa o nono lugar em extensão territorial.
O município de Santa Rosa do Purus possui duas terras indígenas que concentram um grande número de habitantes indígenas. Na Terra Indígena Alto Purus, localizada em parte dentro de Santa Rosa do Purus, habita o povo Kaxinawá e Kulina da família lingüística Pano e Arawá. O povo Kulina tem uma cultura de festas, de rituais de formação de guerreiros, pescarias e caçadas coletivas. O povo Ashaninka já foi chamado de Kampa por outros povos e pela população regional, ignorando sua autodenominação que é Ashaninka, são também conhecidos como povo de arribação devido ao seu forte caráter nômade. O acesso a essas terras se faz subindo o Rio Purus a partir de Manuel Urbano
A Terra Indígena Riozinho do Alto Envira, também chamada de Xinane (parcialmente dentro do município), vive o povo Ashaninka e membros isolados de diversas etnias, totalizando aproximadamente 2.193 habitantes em 38 aldeias. O acesso a Terra Indígena Riozinho do Alto Envira, é possível pelo Rio Envira a partir da cidade de Tarauacá no sentido montante.
A Floresta Nacional Santa Rosa do Purus, localizada no Município, foi criada com o objetivo de promover o manejo de uso múltiplo dos recursos naturais, a manutenção e proteção dos recursos hídricos e da biodiversidade. Entre as ações que devem ser desenvolvidas na unidade, consta na recuperação de áreas degradadas, a educação ambiental, bem como o apoio ao desenvolvimento sustentável dos recursos naturais das áreas limítrofes.
Criado em 2004, o Parque Estadual Chandless ocupa uma área de aproximadamente 695 mil hectares de floresta preservada, localizada entre a Terra Indígena Alto Purus, a Resex Cazumbá-Iracema e a faixa de fronteira com o Peru. Esta característica favorece a função do Parque como corredor ecológico e área de preservação da floresta amazônica. Os objetivos da criação do Parque são: a preservação dos ecossistemas naturais, a realização de pesquisa científica e de educação ambiental, assim como o turismo ecológico de acordo com um plano de manejo.
Santa Rosa do Purus limita-se ao norte, com os municípios de Manuel Urbano e Feijó; ao sul, com a República do Peru; a leste, com o município de Manuel Urbano e a oeste, com o município de Feijó.
O acesso ao município é feito por meio fluvial e aereo.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Avião de pequeno porte cai durante decolagem e mata três em Manaus

Área em que um avião de pequeno porte apresentou problemas logo após a decolagem, em Manaus; três pessoas morreram
Área em que um avião de pequeno porte apresentou problemas logo após a decolagem, em Manaus; três pessoas morreram
Um avião de pequeno porte bimotor apresentou problemas logo após a decolagem, no Aeroporto Internacional de Manaus, por volta das 6h20 desta terça-feira (16), e caiu na pista auxiliar. Três dos seis passageiros morreram no local, segundo a Infraero (estatal que administra os aeroportos públicos).
Os três sobreviventes foram encaminhados para o hospital 28 de Agosto, na capital, segundo a assessoria de imprensa do terminal. Os nomes deles, divulgados pela empresa por meio da Infraero, são os seguintes: Vanessa Guedes Aguiar, Edson Carrão e Adonai Pessoa Campos. Os nomes dos mortos ainda não foram divulgados.
Equipes do Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes) estão no local para iniciar a investigação das causas do acidente.
A aeronave ia para Apuí (408 km de Manaus). Os destroços da aeronave modelo Baron ainda estão na pista, mas, de acordo com a Infraero, a pista principal do aeroporto funciona normalmente, e nenhum voo está atrasado. (Com A Crítica)

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Maior acidente aéreo da história de Sena Madureira completa 42 anos em setembro.

Foi no dia 28 de setembro de 1971 que Sena Madureira registrou o maior acidente aéreo de sua história. Minutos após ter feito a decolagem, o avião DC3, da empresa Cruzeiro do Sul, que viajava com destino a Rio Branco, apresentou problemas no motor, bateu em uma árvore e caiu em um matagal na comunidade Boca do Caeté.
Aquele dia fatídico deixou saldo de 33 mortos entre passageiros e tripulação. Ao cair no solo, o avião explodiu não deixando nenhum sobrevivente. Todos morreram carbonizados.

Entre as vítimas estava o Bispo Dom Giocondo Maria Grotti, que a época chefiava a Diocese da Igreja católica no Acre. O religioso, que era italiano, estava no Acre em substituição ao Bispo Fontenele de Castro, e havia feito uma visita a Sena Madureira.

Nesta terça-feira, 28, se completam 39 anos da tragédia. No local do episódio algumas peças do avião ainda podem ser encontradas, como o motor e outros artefatos. Também foi criada a capela Dom Giocondo, em homenagem ao Bispo.

Em 1971, muitos moradores de Sena Madureira sequer eram nascidos. Por isso, nos dias atuais, professores da escola Anjo da Guarda, que fica na comunidade Boca do Caeté, procuram realizar trabalhos com os alunos, detalhando o triste acontecimento.

A professora Humbelina da Conceição Bezerra, que leciona na referida unidade de ensino, tinha 12 anos de idade na época da tragédia.

– Me lembro que, após a queda do avião, corri em direção ao local, mas não era possível aproximação porque a fumaçã era muito forte – comentou.

Sobre a morte do Bispo, até hoje ela se emociona ao relembrar o ocorrido. – Foi ele quem fez minha primeira comunhão e crisma. Uma perda irreparável. Lamentamos também por todas as pessoas – finalizou.

Mesmo depois de passados 39 anos, a tragédia é lembrada com frequência pela população. Segundo informações, muitos dos passageiros tinham vindo a Sena Madureira pela BR-364, ou seja, via terrestre, mas resolveram retornar de avião por conta da época chuvosa, que tornava ruim a trafegabilidade no trecho.


O maior acidente aéreo do município aconteceu três dias após Sena Madureira ter completado 74 anos de fundação.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Manoel Urbano está sem médico e o Raio X não funciona

alt
Preocupado com a saúde da população do município, o prefeito de Manuel Urbano Ale Araújo, reuniu-se na quinta-feira (27), em seu gabinete com os membros do Conselho Municipal de Saúde e os vereadores Calinhos e Charles Brandão. Durante o encontro foi mostrado a realidade da saúde do município e a necessidade de se fazer investimentos na área de saúde para melhor atender a população.
 Umas das discussões da reunião foi a questão da falta de médicos no hospital do município, pois os médicos que trabalhavam eram do Município de Sena Madureira, mais por exigência do Ministério Público o hospital teria que ter dois médicos de plantão. O único médico que tem no município é o Dr. Neme, mais ele  já cumpre a sua carga horária.
 O Prefeito preocupado com essa situação, no início do ano falou com o governador Tião Viana e a secretária de saúde Suely Melo, e os mesmo se comprometeram em contratar médicos para o município. A intenção era um contrato pelo município e outro pelo estado além da moradia que a secretária de saúde estava oferecendo, apareceram vários medicos, mais só com o contrato do município eles não ficariam. E para piorar o hospital de Manuel Urbano está sem médico.
Mais o prefeito Ale Araújo junto com secretário de saúde esperam encontrar um médico que tenha coragem de trabalhar e morar em  Manoel Urbano.
Com informações da Assessoria da PMMU

Manifestantes da Telexfree fecham as pontes JK e Coronel Sebastião Dantas

Manifestantes da Telexfree fecham as pontes JK e Coronel Sebastião Dantas

Depois do protesto durante toda a manhã em frente ao Fórum Barão do Rio Branco, manifestantes da Telexfree fecharam as pontes JK e Coronel Sebastião Dantas, no começo da tarde desta segunda-feira. 
Eles prometem liberar os acessos somente após a revogação da decisão da Justiça que suspendeu a empresa em todo país. A Polícia de Trânsito está no local. O tráfego é possível apenas pela Quarta Ponte e a ponte da Via Verde. Enquanto isso o caos se instala no trânsito no centro da capital
A empresa está com os seus cadastros e pagamentos suspensos há mais de duas semanas por causa de uma ação de autoria do MPE acatada pela juíza Thaís Borges, titular da 2ª Vara Cível da Comarca de Rio Branco. Os advogados da Telexfree chegaram a pedir a revogação da ação, mas o pedido foi indeferido pelo desembargador do TJ/AC, Samoel Evangelista.