quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Memorias de amigos de Manoel Urbano

Manoel Urbano anos 80, entre amigos nos finais de semana juntavam no Discobar para jogar umas paradas de Sinuca, na época o Bar que tinha o Título de DISCOBAR era de propriedade do senhor João Bosco e alugado para João Narcisio, onde nos finais de semana era realizado festas dançante para população de divertir, na foto estão: Edicarlos, Mazula, Ligeiro, Pipita e João Narcisio.


Santa Rosa do Purus

 A população de Santa Rosa do Purus em 2010 era de 4612 habitantes e a sua área é de 5 981 km² (0,7 hab./km²).
É limitada ao sul com o Peru, a leste com o município de Manoel Urbano e a oeste com o município de Feijó.
O município, juntamente com os seus vizinhos, Manuel Urbano e Sena Madureira faz parte da Regional do Alto Purus. A presença do estado é tão reduzida, que os habitantes deste município se queixam de viver exilados. O ponto de entrada do rio Purus no Brasil dá-se neste município.
A região é povoada por uma grande diversidade ao nível da fauna e da flora, existindo espécies em via de extinção, tais como a onça pintada, o jacaré-açu e a ararinha azul.
Foto áerea do Bairro Cidade Nova Santa Rosa do Purus

Base de Projetos de Assentamento de Santa Rosa do Purus.


Santa Rosa do Purus conta com apenas um projeto de assentamento, o PA Santa Rosa, com 50 famílias assentadas em uma área de 37.460 hectares. O município é constituído em parte por terras devolutas da União, o que faz com que disponha de um estoque suficiente de espaço para assentar ainda muitas famílias. 

Terras Indigenas


O município de Santa Rosa do Purus possui duas terras indígenas que concentram um grande número de habitantes indígenas. Na Terra Indígena Alto Purus, localizada em parte dentro de Santa Rosa do Purus, habita o povo Kaxinawá e Kulina da família lingüística Pano e Arawá. O povo Kulina tem uma cultura de festas, de rituais de formação de guerreiros, pescarias e caçadas coletivas. O povo Ashaninka já foi chamado de Kampa por outros povos e pela população regional, ignorando sua autodenominação que é Ashaninka, são também conhecidos como povo de arribação devido ao seu forte caráter nômade. O acesso a essas terras se faz subindo o rio Purus a partir de Manuel Urbano.

A Terra Indígena Riozinho do Alto Envira, também chamada de Xinane (parcialmente dentro do município), vive o povo Ashaninka e membros isolados de diversas etnias, totalizando aproximadamente 2.193 habitantes em 38 aldeias. O acesso à Terra Indígena Riozinho do Alto Envira é possível pelo rio Envira a partir da cidade de Tarauacá no sentido montante. 

Unidades de Conservação

A Floresta Nacional Santa Rosa do Purus, localizada no Município, foi criada com o objetivo de promover o manejo de uso múltiplo dos recursos naturais, a manutenção e proteção dos recursos hídricos e da biodiversidade. Entre as ações que devem ser desenvolvidas na unidade, consta a recuperação de áreas degradadas, a educação ambiental, bem como o apoio ao desenvolvimento sustentável dos recursos naturais das áreas limítrofes.

Criado em 2004, o Parque Estadual Chandless ocupa uma área de aproximadamente 695 mil hectares de floresta preservada, localizada entre a Terra Indígena Alto Purus, a Resex Cazumbá-Iracema e a faixa de fronteira com o Peru. Esta característica favorece a função do parque como corredor ecológico e área de preservação da floresta amazônica. Os objetivos da criação do Parque são a preservação dos ecossistemas naturais, a realização de pesquisa científica e de educação ambiental, assim como o turismo ecológico de acordo com um plano de manejo








Escola Chandless na área da Unidade de Conservação

Residência no Parque Estadual de Chandless e canoa (meio de transporte)

Rio Chandless

Arara Vermelha


Área Especifica

Floresta Nacional Santa Rosa do Purus (parte)

Parque Estadual Chandless (parte)

Projeto de Assentamento

PA Santa Rosa

Terra Indígena (TI)

Alto Purus (parte)



Nenhum comentário:

Postar um comentário