sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Inflação varejista subiu 5,76% em 2011, apura FGV



A inflação varejista medida pelo IPC-M subiu 5,76% em 2011 até a primeira prévia do IGP-M de dezembro. Na margem, a aceleração na taxa do IPC-M da primeira prévia de novembro para igual prévia em novembro (de 0,09% para 0,33%) foi causada por acréscimos nas taxas de variação de preços em cinco das sete classes de despesa pesquisadas. A informação foi divulgada hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) que publicou também a primeira prévia do IGP-M - o índice desacelerou fortemente em dezembro e avançou 0,04%, índice inferior à taxa em igual prévia em novembro (0,37%).
No IPC-M, o destaque foi, novamente, o grupo Alimentação, principal contribuição para a aceleração da primeira prévia. Isso porque os preços dos alimentos pararam de cair (de -0,27% para 0,20%) da primeira prévia de novembro para igual prévia em dezembro. Nesta classe de despesa, houve acelerações de preços em carnes bovinas (de 0,52% para 3,66%) e término de deflação em frutas (de -0,99% para 3,33%).
Outras quatro classes de despesa também registraram taxas de inflação mais intensas; término de estabilidade;e fim de queda de preços. É o caso de Vestuário (de 0,27% para 0,99%), Despesas Diversas (de 0,00% para 0,46%); Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,31% para 0,41%); e Transportes (de -0,13% para 0,26%).
As duas classes de despesa restantes tiveram desaceleração. É o caso de Educação, Leitura e Recreação (de 0,33% para 0,25%) e Habitação (de 0,38% para 0,35%).
Entre os produtos pesquisados no varejo, as altas mais expressivas na primeira prévia de dezembro foram registradas nos preços de mamão da amazônia - papaya (31,36%); tarifa de eletricidade residencial ( 0,92%); e alcatra (4,98%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em tomate (-15,41%); batata-inglesa (-14,21%); e alho (-7,67%).
Atacado - A inflação atacadista medida pelo IPA-M acumula alta de 4,68% no ano. No atacado, os preços dos produtos agropecuários o subiram 3,47% no ano. Já os preços dos produtos industriais mostraram alta de 5,12% no ano, até a primeira prévia de dezembro.
Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais acumulam aumento de 4,03% em 2011. Já os preços dos bens intermediários subiram 3,36% no ano. Por fim, os preços das matérias-primas brutas registram elevação de 7,17% no ano.
Os aumentos de preços em bovinos (3,06%); carne bovina (5,86%); e gasolina automotiva (7,12%) foram os mais expressivos entre os produtos pesquisados no atacado na primeira prévia de dezembro. Já as mais expressivas quedas de preço no atacado foram registradas em minério de ferro (-4,09%); milho em grão (-5,64%); e soja em grão (-2,50%.

Saúde
A Boa Higiene Bucal Previne Muitos Problemas

Entre os efeitos da má higiene bucal estão as cáries, a gengivite, a periodontite e a perda dos dentes. Felizmente, com os cuidados apropriados – como a limpeza correta e regular dos dentes – podemos prevenir a maioria desses problemas.


Se não limpamos bem nossos dentes todos os dias, corremos um grande risco de ter cárie. Seus sinais são aqueles furinhos visíveis nos dentes, dor ao mastigar e sensibilidade ou dor nos dentes.

Quando não retiramos regularmente os carboidratos da comida e da bebida que ingerimos, eles permanecem em contato com os dentes e servem de alimento para as bactérias responsáveis pela cárie. A placa começa a se formar sobre os dentes 20 minutos depois de comermos; portanto, quem gosta de beliscar toda hora precisa cuidar da limpeza dos dentes com mais freqüência, não apenas duas vezes por dia. Na verdade, essas bactérias estão praticamente sempre presentes na boca e a limpeza freqüente – além do baixo consumo de doces — acaba evitando a formação de cáries.

A boa limpeza dos dentes também evita que a cárie causada por bactérias progrida e se transforme em gengivite ou doença gengival.

A Rotina Recomendada de Higiene Bucal
Mantenha os dentes limpos e sem cáries seguindo uma rotina regular de escovação duas vezes por dia e uso diário do fio dental. Fora isso, vá ao dentista pelo menos uma vez por ano para fazer uma limpeza profissional e uma avaliação geral e assim detectar os problemas antes de eles se agravarem. Pode ser que o dentista recomende algum tipo especial de escova, fio dental ou antisséptico bucal para melhorar os resultados de sua rotina de higiene bucal diária.


Nenhum comentário:

Postar um comentário